Carona: compartilhe essa ideia

19/10/2012 21:35

Estudantes se mobilizam para realizar o sonho do Ensino Superior

Cada vez mais o brasileiro tem se preocupado com o ensino superior. As facilidades oferecidas pelo governo como, por exemplo, bolsas de estudos, financiamentos e descontos são um incentivo para que as pessoas ingressem numa faculdade. Em algumas cidades há muitas faculdades, mas nem sempre uma próxima tem o curso pretendido. Por isso, às vezes é necessário se deslocar até outra cidade para poder fazer o curso que se quer. Em virtude disso, surgem mais gastos além daqueles com mensalidade, livros e alimentação: o gasto com transporte. Há quem prefira ir sozinho em seu próprio carro, outros formam grupos e dividem a despesa de combustível e há quem prefira as vans ou ônibus especiais.

Pode-se perceber que quem prefere a comodidade de ir de carro, geralmente tem um grupo que divide o combustível, fazendo com que assim haja mais economia. Esse é o caso da estudante do 4º período de Engenharia Civil da Faculdade Pitágoras, Deisiane Oliveira, que, juntamente com uma amiga, divide as despesas. “Prefiro ir com minha colega de turma pela comodidade, rapidez e tranquilidade, uma vez que ônibus ou vans no horário de ida para a faculdade são lotados, o que pode nos causar certo stress antes mesmo do início das aulas”, conta.

Já a estudante do 3º período de Publicidade e Propaganda da mesma faculdade, Bruna Santos Lima, sai de Itaúna para vir à Divinópolis estudar. Sua rotina é bem cansativa, mas ela a enfrenta com muita disposição. “Na minha cidade não tem a área que escolhi e a cidade mais próxima que oferecia o curso era Divinópolis. Para realizar meu sonho de ser publicitária decidi fazer esse esforço, afinal devemos nos empenhar na realização dos nossos sonhos. Sei que quatro anos é muito tempo e que vou ter de ser bem perseverante para concluir o curso, já que tem alguns períodos que são mais teóricos que outros e às vezes bate aquela vontade de desistir. Dá preguiça de pegar estrada, mas as amizades me ajudam a ter força para estudar”, afirma.

Bruna optou pela van como meio de transporte por ser mais viável financeiramente e ter maior rapidez no trajeto, uma vez que os ônibus fazem mais paradas para apanhar passageiros / alunos devido ao fato de ter um número maior de lugares. Sua rotina é um tanto quanto corrida, pois trabalha como operadora de telemarketing em uma financeira das 8h às 14h30. Quando sai do trabalho passa em casa fazer um lanche, tomar banho e se preparar para mais um dia de aula. Sua van sai às 18h20 e vai direto para a faculdade. “Em dias comuns 40 minutos é o tempo suficiente para virmos tranquilamente. Já em dias chuvosos costumamos sair cerca de 20 minutos mais cedo para viajarmos tranquilos e com maior segurança”, explica.

Já a rotina do estudante Daniel Zapiello que mora em Lagoa da Prata e também cursa Publicidade e Propaganda na Faculdade Pitágoras, requer ainda mais disposição e perseverança. Ele sai de sua casa antes das 7h e segue para seu estágio. Após o estágio, às 13h vai direto para o trabalho e deste sai às 17h. Ele tem só o tempo de passar em casa, deixar sua moto e ir rapidamente para o “ponto” aguardar sua van. Depois disso são duas horas de viagem até chegar à faculdade. Quando questionado sobre o que o motiva a fazer este percurso todos os dias, ele responde com muita certeza e convicção: “É o sonho da profissão. Algumas vezes pensei em desistir, mas a vontade de vencer é maior”.

Daniel passa mais tempo na estrada do que na própria faculdade. Ida e volta somam cerca de quatro horas por dia, enquanto as aulas somam aproximadamente três horas. Com muita emoção ele conta algumas situações que viveu ao longo desse período para poder chegar à faculdade. “No início meu irmão e eu íamos de carona num carro até a cidade vizinha e lá pegávamos o ônibus até a faculdade. Na volta era a mesma coisa: vínhamos de ônibus até a cidade vizinha e acabávamos de chegar em casa de carro. Essa rotina perdurou muito tempo, até que passamos a ir até a cidade vizinha de moto. Nessa época chegava em casa por volta de 1h30”, relembra.

Em meio a uma crise de risos ele lembra uma passagem um tanto quanto constrangedora e perigosa que aconteceu com ele e seu irmão. “Certo dia, quando estávamos voltando, acabou o combustível da moto. Imagina a cena: dois caras, uma e meia da manhã empurrando uma moto por cerca de cinco quilômetros até chegar em casa! Mas hoje está tranquilo, vamos numa van que sai de Lagoa da Prata e segue direto para a Faculdade. Chegamos em casa por volta de meia noite, não é preciso mais aventuras como antes” diz.

O estudante afirma que, apesar da rotina, não pretende se mudar para Divinópolis. “Por questões familiares penso em continuar em Lagoa da Prata. Estou disposto a enfrentar essa maratona todos os dias até finalizar o curso”, ressalta.

Caso do acaso

Seja nas vans ou ônibus especiais com destino às faculdades da cidade, geralmente há muita interação. Isso é interessante porque são pessoas com diferentes experiências de vida, ideias, personalidades, o que propicia uma troca de informações muito grande. Nesse ambiente de interação surgem muitas amizades e até mesmo relacionamentos amorosos, como é o caso de Joana e Vanderlei.

Ela cursa Psicologia e ele Engenharia Civil na mesma faculdade e, entre idas e vindas da cidade de Formiga no ônibus especial, se conheceram e hoje estão namorando. “Nos conhecemos no ônibus logo no primeiro dia de aula da faculdade. Foi surpreendente, pois na minha apreensão de como seria o curso, os professores, a faculdade, eu estava um tanto quanto tensa. Foi quando em uma das paradas para pegar alunos, o Vand (como carinhosamente o chamo) entra e senta do meu lado, com tantos outros lugares vazios. Eu, sem graça, dei apenas uma olhada rápida para ele e um oi muito tímido. Logo retornei para o meu mundo de medos sobre como seria a faculdade. Passado algum tempo da viagem ele puxou papo comigo e a conversa fluiu tão bem que rapidinho chegamos à faculdade e cada um seguiu para sua sala. Na volta, sentamos juntos novamente e fomos conversando sobre como foi o primeiro dia de faculdade”, lembra a estudante.

Joana conta ainda que, por alguns dias, eles se distanciaram um pouco. “Nos outros dias ele foi para o fundão, a área mais animada do ônibus. Algumas semanas se passaram até que ele voltou a se sentar perto de mim e conversamos muito durante a viagem sobre os mais variados assuntos. Nossas ideias combinavam, nosso papo era animado e ele sempre estava com bom humor, o que me conquistou! Decorridos alguns dias, na volta numa véspera de feriado, ônibus bem mais vazio, notei que ele me olhou diferente e mudou o rumo da nossa conversa dizendo que havia se encantado por mim e perguntando se não haveria a possibilidade da gente se conhecer melhor. Eu confesso que já não fazia nada sem pensar nele, no jeito alegre dele ser. Então pensei até que enfim (risos) e passamos a namorar. A partir deste dia, lá se vão quase dois anos de relacionamento e estamos muito felizes. Essa é a nossa história”, finaliza, contente.

Vamo Junto?

A facilidade de ingressar numa faculdade traz um ponto negativo: o grande fluxo de carros nas proximidades dos campus. Isso tem acontecido na Faculdade Pitágoras Divinópolis. Por isso foi lançada uma campanha de conscientização chamada “Vamo Junto?” De acordo com o diretor da Faculdade Pitágoras, Francisco Resende, a ideia da campanha surgiu em decorrência do grande número de veículos que circulam no entorno da faculdade todos os dias. A campanha tem finalidade de promover caronas entre professores e alunos. Suas consequências são retornadas para os próprios alunos, que fazem uso do serviço em duas grandes vertentes. A primeira é a ecológica. Por meio desta otimização do transporte é possível diminuir a quantidade de veículos, melhorando o trânsito e a qualidade do ar na nossa cidade. A outra vertente é a econômica, uma vez que é possível reduzir em até 75% os custos com combustível, manutenção de veículos e demais despesas ao usar o sistema de caronas.

“Estamos no primeiro estágio da campanha. É o momento de mostrarmos aos nossos alunos a importância desta conscientização ambiental e urbana. Sabemos que o nosso caminho é longo e necessita de um trabalho continuado

junto a todos os públicos. Neste primeiro momento, já percebemos uma preocupação maior de todos com relação ao nosso trânsito. Temos outras ações que serão implementadas aos poucos. Mas temos a convicção de que teremos excelentes resultados no futuro próximo”, explica Francisco Resende.

____________________________

Reportagem produzida pelos alunos do curso de Jornalismo da Faculdade Pitágoras Divinópolis/MG: Ana Maria Campos e Márcia Vani Ferreira (3º Período)

Fotos: Márcia Vani e AGP3 FAP

Edição e Supervisão: Professor Ricardo Nogueira (MG 11.295 JP)

Voltar