Alunos da Faculdade Pitágoras são aprovados no Projeto Rondon

01/11/2012 09:55

Equipe formada por alunos e professores irá para Mutuípe/BA, em janeiro de 2013, implementar trabalho de Desenvolvimento Sustentável

A Faculdade Pitágoras de Divinópolis recebeu um importante prêmio neste mês de outubro. Um projeto social desenvolvido por dois alunos do curso de Farmácia, juntamente com o professor Hélcio Cassemiro, foi aprovado pelo Rondon, projeto educacional e social do Ministério da Defesa que atende regiões carentes do Brasil. Com a aprovação, uma comissão de oito alunos e dois professores da Faculdade Pitágoras irá aplicar o projeto na cidade de Mutuípe (BA) entre os dias 18 de janeiro e 3 de fevereiro de 2013. A Faculdade Pitágoras foi a única Instituição de Ensino Superior da região Centro-Oeste a ter um projeto aprovado nesta instância.

O Rondon é um projeto do Ministério da Defesa que conta com a participação voluntária de alunos da Educação Superior de todo o país para a criação e execução de projetos sociais que visam o desenvolvimento sustentável de regiões carentes do Brasil. O projeto ainda visa contribuir para a formação do universitário como cidadão e integrar o estudante ao processo de desenvolvimento nacional, por meio de ações participativas sobre a realidade do país. Busca ainda consolidar no universitário brasileiro o sentido de responsabilidade social, coletiva, em prol da cidadania, do desenvolvimento e da defesa dos interesses nacionais e estimular no universitário a produção de projetos coletivos locais, em parceria com as comunidades assistidas.

O professor Hélcio Cassemiro, responsável pela orientação do projeto enviado ao Ministério da Defesa, já teve outro projeto aprovado e participou, no ano passado, do Rondon. Ele conta que a experiência de participar de algo tão grandioso é única e marcante. “Quando você vai para o Rondon, volta diferente. Os alunos voltam satisfeitos, felizes, pois irão vivenciar muita coisa que não conhecem, que só se vê pela televisão”, diz.

Janina Falk, coordenadora do curso de Farmácia da Faculdade Pitágoras Divinópolis, diz que está orgulhosa de seus alunos e que o projeto será muito importante na vida profissional e pessoal dos selecionados. “Sinto-me honrada em ter alunos comprometidos com ações sociais, que se envolvem com o curso e com os rumos de suas próprias vidas. Estudantes que buscam muito mais do que se aprende em sala de aula, que se empenham em ajudar, em ser voluntários, em investir suas férias de janeiro para ganhar o reconhecimento daqueles que serão beneficiados pelo projeto. Isso não tem preço que pague na história de vida deles. Os alunos saberão que são capazes, que podem se doar mais e transformar realidades”, afirma.


Universitários de todo o Brasil participam das operações desenvolvidas pelo Projeto Rondon, com o objetivo de promover o desenvolvimento social em regiões carentes

O projeto

Hélcio conta que os alunos do curso de Farmácia se interessaram pelo Rondon e o procuraram para desenvolver um projeto. Os alunos Carlos Resende e Núbia Cardoso, juntamente com os outros professores do curso de Farmácia e a coordenação, deram inicio à elaboração das propostas. Foram vários meses de preparação. No dia 24 de outubro, o Ministério da Defesa publicou o resultado com a aprovação da Faculdade Pitágoras Divinópolis. O aluno Carlos Resende, um dos autores da proposta aprovada, disse que foi pego de surpresa com a notícia. “Ficamos muito surpresos e felizes com a aprovação do nosso projeto. Isso prova que o curso de Farmácia tem professores altamente qualificados e demonstra que o aprendizado vem acontecendo de forma cada vez mais forte”, comemora.

Carlos conta que os alunos decidiram participar do projeto pelo grande valor acadêmico e social, e por tratar de fatores importantes para o meio social como educação, saúde, cultura e cidadania. A preparação ocorreu através de estudos sobre a Bahia, conhecendo os problemas que alarmam a região em todas essas vertentes. “O nosso projeto é baseado nas propostas previstas pelo Rondon e contém as seguintes ações: atividades previstas; objetivos; metodologias; público-alvo; cronograma; e o retorno esperado para a comunidade”, explica Carlos.

No desenvolvimento do projeto, a equipe realizou uma pesquisa da região e detectou que na área de saúde a região carece de discussões sobre sexualidade, necessitando de ações rápidas e eficazes principalmente junto ao público adolescente. Na área social, um trabalho relativo a alcoolismo para oferecer qualidade de vida e, principalmente, na conscientização do abalo e desestrutura familiar causado pelo álcool. Foi detectado ainda o acesso restrito a programas do governo como Farmácia Popular, em que cidadãos poderiam ter acessibilidade maior a medicamentos básicos.

Próximos passos

No dia 4 de novembro, o professor Hélcio viaja para Salvador, onde irá reunir com Ministério da Defesa e os outros professores das Faculdades aprovadas pelo Brasil.

Nesta reunião serão passadas informações sobre a aplicação do projeto. Em seguida, o professor parte para a cidade de Mutuípe, que fica no sudoeste da Bahia, com pouco mais de 21 mil habitantes. “Vamos para o município para ver todas as demandas, conversando com a comunidade, prefeito e vereadores. Depois participamos de outra reunião com o Ministério e voltamos para a Divinópolis para adequar as propostas, selecionar os alunos para poder ir na operação” contou Hélcio.

Serão selecionados oito alunos entre os cursos de Direito, Enfermagem, Farmácia, Psicologia e Comunicação para formar a equipe. “O aluno deve ser comunicativo, gostar de projetos sociais, de trabalhar em equipe. Tem que estar preparado para trabalhar de manhã, de tarde e de noite. A primeira coisa é ler o manual para entender o que é o Rondon. O aluno não deve ser remunerado para participar do projeto. Depois disso tem a formatura, além da honra de representar a instituição e a cidade”, orienta o professor. Os coordenadores de todos os cursos da Faculdade Pitágoras se reuniram nesta semana para definir como será feita a seleção dos alunos. O processo será realizado quando o professor Hélcio voltar de Mutuípe.

Projeto Rondon

O Projeto Rondon foi criado em 1967 e, durante as décadas de 1970 e 1980, permaneceu em franca atividade, tornando-se conhecido em todo Brasil. No final dos anos 1980, o Projeto deixou de receber prioridade no Governo Federal, sendo extinto em 1989. Em 2005, já com uma nova roupagem, o Projeto Rondon voltou a figurar na pauta dos programas governamentais, sendo atribuída a sua coordenação ao Ministério da Defesa. Desde então, o Rondon já levou mais de 12.000 rondonistas a cerca de 800 municípios. Hoje, o Projeto encontra-se em processo de consolidação, com uma procura cada vez maior pelas universidades e pelos universitários. O Rondon é mais que um projeto educacional e social, é uma poderosa ferramenta de transformação social, na medida em que conscientiza jovens que terão nas mãos o destino deste país e ressalta a importância do seu papel de protagonista na busca de uma sociedade mais justa.

Em janeiro de 2013, serão realizadas três operações: a “Operação Canudos” que será executada na região de Petrolina (PE); a “Operação São Francisco”, na região de Aracajú (SE); e a “Operação 2 de Julho”, na região de Salvador (BA). É nesta última operação que os alunos da Faculdade Pitágoras Divinópolis irão atuar. Durante o período de execução do projeto, os alunos irão trabalhar com os multiplicadores de mconhecimento, ou seja, pessoas e profissionais de diversas áreas que darão continuidade no projeto.

“Hoje o projeto não é assistencialista, ele forma profissionais. Trabalha com técnicos de saúde, Centro de Referência de Assistência Social - CRAS, Conselho Tutelar. O aluno, então, vai para multiplicar os conhecimentos. Vamos fazer oficinas de saúde, educação, cultura. O rondonista tem que ser capaz de deixar uma semente na cidade para ensinar e ajudar a população. Vamos treinar os técnicos de saúde, em Farmácia e enfermeiros, para quando sairmos da cidade possamos deixar pessoas preparadas”, finaliza Hélcio.

____________________________

Reportagem produzida pelo aluno do curso de Jornalismo da Faculdade Pitágoras Divinópolis/MG: André Bernardes (6º Período)
Fotos: André Bernardes e Divulgação
Supervisão e Edição: Prof. Ricardo Nogueira (MG 11.295 JP)

Voltar